“Autismo não é doença, o autista pode ter uma vida normal, se estimulado”

Numa ação liderada pelos voluntários da APAE André Dantas Vasques e sua esposa Gisele, aconteceu no Largo São Sebastião, na segunda-feira, 3 de abril, a comemoração do Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

Numa tenda onde além de informações onde estavam os profissionais da APAE, com distribuição de folhetos explicativos sobre autismo, as crianças se divertiram na cama elástica, houve distribuição de algodão doce, pipoca, numa ação do Projeto Doce Brinquedo de Edson Secafim.

Também a presença de cães que atuam no projeto “Cão terapia”, dentro do movimento de conscientização sobre autismo. Segundo André, autismo não é doença, o autista pode ter uma vida normal, se estimulado.

“Fui presenteado com dois filhos autistas, vendo as dificuldades na escola, tivemos o diagnóstico e eu também fui diagnosticado com Síndrome de Asperger que agora é diagnosticada como transtorno do espectro do autismo”.

“Na década de 70 não existia a palavra bulling, não se falava em depressão e em síndrome do pânico, eu tive muitas dificuldades de aprendizado, de comunicação, na época era considerado com deficiência em coordenação motora, não sabia jogar bola, mas hoje venci as barreiras, falo e escrevo bem, fiz natação e posso ajudar as pessoas a vencer as barreiras. Vejo meu filho estimulado, se desenvolvendo é como acender uma luz azul, que é a cor do movimento Autismo + Respeito + Atenção”.

Prestigiando o evento o diretor da APAE Dr. Rafael Geraldini e Maria Teresa Del Niño Jesus Espinós de Souza Amaral.

Fonte: AR2

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome