11ª edição acontece hoje (16) a partir das 20h

Acontece hoje (16), a partir das 20h, a 11ª edição da Batalha de MC’s da Praça Washington Luiz, em Valinhos. O evento, organizado por um grupo de moradores da cidade, jovens, e entusiastas da cultura hip hop, tem se destacado por dar nova vida à praça a partir de uma ocupação cultural espontânea.

Após 10 edições, o evento já se consolida como importante instrumento de ocupação do espaço público pela população, e tem levado a cada semana mais pessoas, vindas principalmente da periferia da cidade, para usufruírem da praça que já foi o principal ponto de encontro da população local.

-publicidade-

Além da batalha, os organizadores aproveitam a fidelidade de seu público para promover ações sociais. Na 10º edição, o público foi estimulado a levar agasalhos e cobertores para serem distribuídos para a população de rua.

O que é a Batalha de MC’s

MC, ou Mestre de Cerimônia, é uma das vertentes da cultura Hip Hop, na qual a pessoa se utiliza da poesia ritmada nas batidas características do rap para se comunicar com o público, ou em batalhas.

A Batalha de MC’s é uma competição entre os Mestres de Cerimônia, que se enfrentam em duelos de rimas, em que o vencedor de cada duelo avança na competição, até que se chegue ao melhor MC daquela Batalha. Em Valinhos, as batalhas acontecem todas as sextas-feiras à noite, na Praça Washington Luiz, que está completando seus 50 anos em 2017.

A Praça Washington Luiz

Referência cultural da cidade nos anos 70, a Praça Washington Luiz foi aos poucos perdendo seu protagonismo na vida valinhense ao longo das décadas com a transferência das grandes festas para outros pontos da cidade, ou até o cancelamento de grandes eventos que costumavam reunir a família no local. Com a baixa de público e o consequente fechamento dos comércios e serviços em seu entorno, a praça se tornou símbolo da má gestão do espaço público pelas administrações da cidade.

Em 2016, a praça passou pela maior reforma de sua história, que gerou polêmica por destruir dois de seus símbolos: o pombal, e o espelho d’água, mas que devolveu à praça uma maior frequência de utilização pela população. Pouco tempo depois, a praça já apresenta buracos e falta de iluminação em alguns pontos, além de o chafariz já não funcionar mais.

No segundo semestre de 2017, o Pé de Figo irá promover uma série de atividades relacionadas aos 50 anos da praça.

 

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome