Debate na Câmara destaca urgência na busca de uma solução para o cemitério 

A Câmara Municipal de Valinhos realizou nesta 5a feira (13) um debate sobre a situação do Cemitério São João Batista, numa iniciativa dos vereadores Alécio Cau (PDT) e Israel Scupenaro (PMDB).

A engenheira ambiental, Flávia Peruzza,  que abordou as questões dos impactos e riscos ambientais e modelos de sepultamento, é da Bio Engenharia, empresa de Limeira que trabalha com assessoria de projetos de engenharia civil e meio ambiente.

-publicidade-

Segundo a engenheira, os riscos de contaminação do ar, do solo e da água são muito grandes, principalmente pelo necrochorume.

O necrochorume é um líquido percolado (não gruda nos ossos), que vai da tonalidade laranja-avermelhada até acinzentada, de cheiro forte,  resultante do processo de decomposição de cadáveres. Um corpo de aproximadamente 80kg pode produzir até 40 litros desta substância.

A engenheira Flávia Peruzza apresentou os impactos ambientais

Verticalização e esgotamento

A foto principal acima retrata o esgotamento da área útil do cemitério e sugere que a verticalização seria uma solução.

Segundo a assessoria do vereador Alécio Cau (PDT), a quadra final à esquerda é de número 39 e já começaram os sepultamentos na quadra 40, e depois resta a 41.
Cada quadra tem espaço para 295 sepulcros. Então resta espaço para, mais ou menos, 600 sepulturas, o que deve se esgotar num prazo de um ano, um ano e meio.

“Privatização”

Apesar de o debate destacar as questões ambientais, a preocupação predominante nas perguntas efetuadas pelas pessoas presentes foi a da concessão da administração do cemitério para a iniciativa privada.

Aspectos jurídicos e econômicos ocorridos em outras localidades foram levantados como, por exemplo, sobre quem assume o passivo ambiental já existente, ou qual o procedimento no caso de a empresa concessionária reivindicar prorrogação do contrato ainda que a administração pública não tenha interesse.

Emendas

O vereador Alécio Cau (PDT) enumerou as emendas que foram apresentadas pelos vereadores ao projeto original encaminhado pelo Prefeito Orestes Previtale (PMDB), dentre elas a que exclui expressamente o velório da “privatização”, além da emenda que estipula o tratamento diferenciado para famílias carentes.

Já o vereador e presidente da Câmara, Israel Scupenaro (PMDB), ao ser questionado sobre o voto contrário à “privatização” dado por ele e pelo próprio prefeito Orestes quando era vereador em 2015, respondeu que a eventual contradição do prefeito devia ser respondida por ele, enquanto a sua posição definitiva será resultado dos debates que ainda serão feitos.

Scupenaro disse ainda que está arrependido de ter votado a favor da concessão dos serviços de parquímetros na cidade, já que foi apresentada como solução e agora é alvo de grande reclamação por parte da população.

Segunda discussão

O projeto de lei foi aprovado em primeira discussão pelos vereadores e, como recebeu várias emendas, saiu da pauta para ser encaminhado, em segunda discussão, após o recesso do legislativo.



Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome