Conselhos Estadual e Nacional de Direitos Humanos fazem vistoria em Valinhos

19

Após a Prefeitura encerrar convênio com o Vida Renovada, única opção  para a população de rua é o “local do padre”

Na última sexta-feira (09)  ocorreu em Valinhos  uma vistoria do  Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE), acompanhado pelo Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) e por representante do Movimento Nacional da População de Rua a pedido do Centro de Cidadania, Defesa dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social “Dorothy Stang” para averiguar a situação da população de rua na cidade.

Durante, a vistoria foram realizadas visitas a dois locais do centro de Valinhos com concentração de População de Rua, onde os representantes dos conselhos puderam realizar diálogo com as pessoas que estão em situação de rua. Quinze pessoas em situação de rua foram localizadas, no período da manhã, as quais sinalizaram, que existem mais pessoas na mesma condição.

-publicidade-

Em todas as abordagens realizadas foram registrados relatos de que, após o encerramento do convênio com o Instituto Vida Renovada, não existe mais acolhimento e assistência a essa população de rua na região central. A única opção é ir para o “local do padre”.

Segundo os integrantes dos conselhos, essa situação é alheia ao fluxo do Sistema Único de Assistência Social, já que o local mantido pelo Padre Dalmiro não tem nenhum registro, não passou pelo Conselho Municipal de Assistência Social ou faz parte de seus equipamentos.

Prefeitura promove uma dessassistência, diz conselheiro

Para o conselheiro do Condepe, Wenderson Gasparoto: “O que ficou claro é que a Prefeitura de Valinhos hoje promove uma desassistência, pois não tem nenhum serviço ou programa para a população de rua. Estando assim, em desacordo com a legislação presente na Política Nacional de População de Rua”.

Usuário de drogas jogado na rua

Em um dos locais, os conselheiros constataram pessoas comendo ração de animais. Fatos que também chamaram a atenção foi a presença de idosos, sem nenhun acompanhamento específico, uma mulher com problemas de saúde mental, em crise. Todas as pessoas afirmaram que a Corpus continua retirando cobertor, objetos pessoais e roupas o que vai contra a lei.

Todas as abordagens relataram que para tomar um banho ou mesmo se alimentar dependem da boa vontade dos cidadãos de Valinhos.

O representante do Movimento Nacional da População de Rua Edvaldo Gonçalves ficou impressionado com o grau de desassistência: “Em outras cidades vemos políticas públicas equivocadas, higienistas, mas existe alguma política pública. Agora, simplesmente o abandono por parte do poder público é algo chocante”.

Trabalho do Pe. Dalmirio e falta de atenção das autoridades

A vistoria também foi ao local mantido pelo Padre Dalmiro onde puderam ver todo o esforço do mesmo em manter um local para acolher essas pessoas, diante da ausência da política publica.

Moradores de rua se alimentam com ração animal em Valinhos

Para Teresita, do Centro de Cidadania, Defesa dos Direitos Humanos e Desenvolvimento Social “Dorothy Stang”, a vistoria deixou claro o total descumprimento da execução da Política em Atenção às Pessoas em Situação de Rua. Afirma que desde outubro de 2017 vem questionando o chamamento dos serviços ao Gestor, ainda em dezembro solicitou a tribuna na Câmara para apresentar aos vereadores a necessidade de uma política pública em atenção às Mulheres em Situação de Rua dada às suas especificidades, e mesmo assim, não obteve a atenção das autoridades. Desta forma, ingressou no Ministério Público, em 18 de janeiro do corrente ano, relatando e solicitando providências, uma vez que este serviço estaria sofrendo rompimento de continuidade. Lamentavelmente, foi isto que constatamos nesta visita, por nós solicitada ao CONDEPE, ficando mais grave, ainda, como temíamos, com relação às mulheres que, embora estando acolhidas de forma precária, não poderão ser atendidas no município, pois, segundo Pe. Dalmirio, mesmo querendo assisti-las, reconhece a ausência de condições (espaço adequado) para tanto, e por esta razão serão encaminhadas para outro município”.

Saiba mais:

Marco Legal: Decreto n° 7.053, de 23 de dezembro de 2009, que institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial de Acompanhamento e Monitoramento, e dá outras providências. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7053.htm

19 Comentários

  1. Onde estavam essas pessoas enquanto o padre pedia ajuda ? Agora que ele está conseguindo algum resultado com muito esforço , eles querem aparecer de bons samaritanos!!! Nos poupe desta hipocrisia direitos humanos.

  2. Reportagem mentirosa, a casa de acolhimento do padre Dalmirio está totalmente regulamentada de acordo com os parametros legais e contamos com o apoio da Secretaria de Desenvolvimento Social.

  3. Tudo nesta vida existem três principios:

    O que eu Vejo.
    O que eu Penso.
    O que Realmente É.
    Por isso antes de qualquer versão avalie o seu ponto de vista.
    Veja tudo, busque analisar as possibilidades de uma maneira racional, para que sejas um individuo racional a fim de adquirir capacidades de reflexão para que entendas de maneira critica e possas agir de maneira autruista.

    Faço voto para que todos Nós possamos olhar para as pessoas e o mundo de uma maneira humana e menos egocêntrica. E que essas pessoas deixem de usar a necessidade alheia como marketing pessoal.

  4. Não se trata do lugar do padre, mas de todos. Antes dessa matéria tivemos uma conversa amigável que parecia um caminho para solucionar este problema. Mas o sensacionalismo vem sempre antes. Infelizmente.

  5. Não se trata do lugar do padre, mas de todos. Antes dessa matéria tivemos uma conversa amigável que parecia um caminho para solucionar este problema. Mas o sensacionalismo vem sempre antes. Infelizmente. Confio que tudo se ajeitara basta cada um fazer sua parte.

  6. Lamentável a hipocrisia dos senhores Conselheiros, é muito cômodo apontar supostos erros e cobrar providências dos outros como também buscar os holofotes da imprensa.Oportuno uma reflexão do Evangelho “o bom samaritano”.
    No inverno de 2017, os moradores de rua viviam ao relento sem qualquer assistência. O Pe Dalmirio, sensível a triste realidade não ficou se lamuriando, arregaçou as mangas e pôs as mãos em obra.Ao invés de criticar o que está sendo feito deveriam também contribuir com ações concretas. Discursar e criticar é fácil e cômodo.

  7. Eu sei o tamanho do esforço do Padre Dalmirio,sei o quanto ele luta pelo pessoal de situação de rua, vi de perto o começo disso tudo.
    Sei tb que a casa do Padre esta com a situação regularizada.
    Tenho total admiração por ele pelo esforço pelo amor ao próximo.

  8. Sou munícipe de Valinhos e pretendo aqui não julgar aqueles que criticam a iniciativa do padre Dalmirio mas sim falar da atitude que ele tomou. Sem apego a palavras mas apegado à ação, arregaçou as mangas e com muito amor no coração, trabalha muito para tornar mais digna a vida daqueles seres humanos, irmãos nossos em Cristo. O que posso ver é que tem muitos que ajudam mas um número maior é quem critica e não faz nada.
    Povo de Valinhos, vamos lá ajudar o padre e ver de perto as mudanças que ele opera na vida de quem está na casa.

  9. Padre Dalmiro dando testemunho de Fé e Vida! A fé vivida no nosso dia a dia. Ajudando os excluídos, os pobres, os necessitados! Que lindo seu trabalho e dedicação Padre! Que Deus continue te abençoando muito! Parabéns!👏🙏

  10. Se para Vcs direitos humanos,nosso trabalho Voluntário que está sendo feito com amor, carinho e toda a dedicação, sem auxílio do poder público,vcs não estão satisfeitos, onde vcs estavam e o que estavam fazendo a um ano atrás enquanto nós estávamos fazendo o trabalho que é de sua competência?

  11. Acompanho o esforço do Padre Dalmirio e sei o quanto ele luta pelo pessoal de situação de rua; e faço minhas as palavras de Veridiana Pereira: “Se para Vcs direitos humanos,nosso trabalho Voluntário que está sendo feito com amor, carinho e toda a dedicação, sem auxílio do poder público,vcs não estão satisfeitos, onde vcs estavam e o que estavam fazendo a um ano atrás enquanto nós estávamos fazendo o trabalho que é de sua competência?”
    Parabéns Padre Dalmírio…. o Senhor é um missionário nas obras de Deus. Tenho muito orgulho de frequentar a Paróquia São Sebastião e poder comungar dessa lição de caridade e amor ao próximo.

  12. Maria Lúcia S. Martins
    Acredito que políticas públicas devam existir, então por que não unir “a documentação ” necessaria e conseguir apoio da prefeitura para a Casa Solidária?
    Mesmo atendendo apenas a população masculina em situação de rua, não se precisaria começar do zero, visto que o padre local tem demonstrado bons resultados apenas com a contribuição de paroquianos.

  13. A Vila Solidária é para todos, o Padre Dalmírio vem se esforçando e se dedicando, engajando também outras pessoas para o acolhimento. Sensacionalismo passa longe de compreender real empenho, dedicação.

  14. O “local do padre” é uma estrutura regulamentada e organizada, embora sempre precise de ajuda para manutenção e ampliação. Que falta política pública, falta, mas a casa de acolhida do morador de rua, iniciativa do padre, que hoje conta com colaboradores voluntários está trazendo dignidade e buscando a recuperação dessas pessoas. Aliás, faltou a notícia comentar como faz para ajudar e informar um telefone para contato para os leitores que quiserem, colaborarem.

  15. Em primeiro lugar gostaria de saber dos senhores conselheiros qual é a definição de”Moradores de rua”. Realmente aqui existem tais pessoas, que não tenham família? Conheço pessoalmente uma que tem família e não quer ficar na casa, talvez seja a que foi citada com problemas mentais.
    Também conversei com um jovem que um grupo tentou ajudar, sem êxito, foi acolhido na Casa chamada pelos Senhores de “Casa do Padre”, mas de lá saiu para viver a vida que escolheu.
    Se eles preferem ficar na rua, bebendo e se drogando, qual seria a responsabilidade do Órgão Público?
    Vocês visitaram as famílias dessas pessoas?
    Uma pergunta que sempre incomoda.. o que vcs fazem por eles? É mto fácil vir e cobrar, vir e exigir, vir e apontar os problemas.. mas e as soluções? Alguém tem? Sabe o que ouvi de um jovem morador de rua? Fui acolhido pelo Padre mas eu usei o dinheiro ganho para comprar drogas….
    Então façam o trabalho de vocês, procurem soluções e venham aqui para apresentá-las, para dizer: é fácil, aqui está o caminho…Mas vcs sabem! Ele não existe, é feito de pequenos reparos, é feito de árduo caminho, é feito de acertos e erros, é feito de boa vontade, é feito de amor e carinho, é feito de doação material e espiritual, estão dispostos a ajudar?
    Não, não querem ajudar, querem apenas sensacionalismo com a desgraça que se instalou.
    Se existe uma pessoa de coragem que está a frente de um trabalho, tentam desmoronar tudo acusando de não ser legalizado!!!
    O que é isso??? O que querem? Levem essas pessoas para a casa de você, simples!
    Acham mesmo que eles disseram a verdade ao dizer que estão comendo ração de cachorro????!!!!Aquela ração foi doada para os cães que eles pegam e não cuidam e usaram isso para comover vcs!! Nossa quanta ingenuidade em acreditar e ainda postar a foto da ração!
    Quando oferecemos comida eles não aceitam querem dinheiro para sustentar o vício, chegam a nos tratar com grosserias e palavrões!
    O local cedido pela Prefeitura atende perfeitamente as necessidades dos moradores, lá não falta comida, não falta banho, não falta carinho e sobra solidariedade.
    Um trabalho extraordinário do Padre Dalmirio juntamente com toda a comunidade.
    Ele tem nosso respeito e admiração porque todos que querem realmente sair da situação de rua tem encontrado nele um pai e amigo, todos são procurados para lá aprenderem uma profissão e serem respeitados como “Seres humanos” e não “moradores de rua” como os senhores querem que sejam e continuem sendo!
    Por favor, repensem a atitude no mínimo sem.sentido frente aos problemas que enfrentamos!
    Fizeram o trabalho de vocês? A reportagem foi feita? Ótimo!
    Esperaremos a ajuda necessária para continuar o trabalho do Padre Dalmirio de trazer esses irmãos a sociedade.
    Quanto a ração, ela continuará sendo entregue “aos cãezinhos” assim como a assistência veterinária que mtas vezes é necessária.
    Menos ingenuidade e mais discernimento…

  16. Amigo irmão, esse nosso PE. Damirio!!!
    Quisera que seu testemunho despertasse
    Consciências, para que pessoas de boa vontade também abraçassem essa causa!!!
    Afinal…

    “Em Cristo somos todos irmãos.” (MT. 23,8)
    C.F.

Deixe uma resposta para Eduardo E. Borgiani Cancelar comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome