TV Pé de Figo – Entrevista com Márcio Santos, coordenador estadual do MST

2
-publicidade-

A Ocupação Marielle Vive realizada no sábado (14), pelo Movimento dos Sem Terra – MST em Valinhos, além de tudo o que significa é, também, uma chance de aprendizado e reflexão.
É preciso lembrar do Bairro Reforma Agrária em Valinhos, uma experiência concreta de reforma agrária realizada no início da década de 1960. Uma fazenda decadente da lavoura do café foi desapropriada e repartida em 72 lotes o que que hoje garantem, a realidade de que vivemos num município com fortes características agrícolas.
Há o direito constitucional da propriedade, o que é uma verdade, porém, temos também um outro princípio da Constituição Federal que é o da função social da propriedade, inclusive com menção expressa de que as áreas rurais improdutivas devem ser objeto de reforma agrária.
A Serra dos Cocais, onde se situa a área ocupada pelo MST, é responsável pelo fornecimento de 45% da água consumida em Valinhos e o avanço dos empreendimentos imobiliários na região significa uma ameaça permanente aos mananciais, além de potencializar a degradação do meio ambiente e aumentar os problemas de trânsito e enchentes, conforme estudos realizados sobre o impacto do Loteamento da Fonte Sônia, por exemplo.
Enquanto o Prefeito Orestes Previtale incorre num erro desnecessário ao precipitar-se em socorrer os interesses dos proprietários, como se deles fosse um procurador, a cidade está dividida num debate repleto de preconceito e desinformação.

Acompanhe a TV Pé de Figo na VV8 TV, no canal 8 da NET em Valinhos e Vinhedo, às terças e quintas-feiras às 21h, com reprise todos os dias às 14h30.

Inscreva-se em nosso canal e não perca um vídeo!

-publicidade-

Acesse: www.pedefigo.com

Siga-nos:
Facebook: https://www.facebook.com/portalpedefigo
Instagram: https://www.instagram.com/pedefigo/
Twitter: https://twitter.com/pedefigovls

2 Comentários

  1. Tirar a terra de gente que lutou e pagou por aquilo, pra distribuir pra pessoas do mst…
    defendendo que em primeiro momento as pessoas vão se beneficiar com as terras, e depois vão gerar produção, mas depois ele fala que eles só vão criar agricultura familiar.
    É basicamente tirar a tera do dono que tem um plano pra ela e dar pra uma galera viver lá…
    “melhorar a vida rural e urbana” kkkkkk Desde quando distribuir terrinha pra pessoa morar e fazer agricultura familiar é melhorar a vida das pessoas da cidade? Vc vai melhorar a vida do vagabundo que invade propriedade, aquela terra que tinha um plano, aí sim de gerar algo pra cidade” agora ta lá, com meia duzia de vagabundos achando que tão certo plantando batata…

  2. O sr. “kkkkk” deveria primeiramente se informar melhor sobre o significado de “agricultura familiar”, pois desta forma ele evitaria fazer aqui papel de bobo…
    Vamos colocar como exemplo aqui a recente invasão de terras do MST em Valinhos e analisar “aquela terra que tinha um plano”. Esse plano, prezado sr. “kkkkk” visa apenas engordar os bolsos dos especuladores imobiliários de Valinhos. Apenas isso? Não, eles também querem contribuir para impermeabilizar o solo, dificultando portanto a reposição de água do lençol freático que abastece o município, além também de provocar inundação nas regiões mais baixas da cidade.
    Os munícipes irão sim aproveitar dos produtos originários da agricultura familiar. Todos poderão comprar verduras e frutas diretos do produtor, como hoje ocorre na feira de quarta à noite ou sábado de manhã. São produtos frescos, de excelente qualidade.
    Vamos tentar construir o bom debate: primeiro se informar, depois opinar…

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome