Bruno Covas (PSDB), prefeito eleito de São Paulo.

Em Sessão Extraordinária na manhã desta segunda-feira (21/12), a Câmara Municipal de São Paulo aprovou em primeiro turno um texto substitutivo ao PL (Projeto de Lei) 173/2018, da Mesa Diretora. A proposta trata da reposição inflacionária no salário do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais.

De acordo com o líder do governo na Câmara, vereador Fabio Riva (PSDB), a última atualização no subsídio do prefeito, vice-prefeito e secretários municipais foi feita em 2012. Segundo ainda Riva, o Projeto de Lei autoriza o reajuste a partir de 1º de janeiro de 2022.

“O que nós estamos fazendo aqui é uma reposição inflacionária bem inferior a qualquer dos índices que norteiam todas as questões de reposição. Esse reajuste é de 46,68%”, disse Riva, que destacou o acumulado de índices ao longo dos últimos oito anos para fazer uma comparação. “O IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) ficou em 63,11%, e o IGP em 100,41%”.

A votação do Projeto de Lei foi feita de forma simbólica, sem registro nominal no painel eletrônico do Plenário 1º de Maio. Entre os vereadores que se manifestaram contrariamente ao projeto, o vereador Eduardo Suplicy (PT) se posicionou por meio de vídeo chamada para justificar a decisão.

“Avaliamos que não seria adequado promovermos um aumento à remuneração do prefeito, dos secretários e do vice-prefeito, quando, ao mesmo tempo, não está havendo o ajuste dos demais servidores públicos do município de São Paulo”, falou Suplicy.

O PL ainda precisa ser deliberado em segundo turno antes de ser encaminhado para sanção do prefeito Bruno Covas (PSDB).

Fonte: Câmara Municipal de São Paulo

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome