Por Marcelo Yoshida

Uma mulher trans, uma mulher lésbica e um homem gay. Esses foram os palestrantes da primeira roda de conversa da Comissão da Diversidade Sexual da OAB de Valinhos.

O evento contou com a presença de advogados, convidados de outras comissões da diversidade de outras cidades, representantes do poder público e estudantes.

É importante ressaltar a importância desse evento para uma cidade conservadora como Valinhos. Não há políticas públicas para o atendimento de demandas específicas para a comunidade LGBT+.

Você, leitor, pode se perguntar se há muitas pessoas contempladas por essa sigla na cidade, não é mesmo?

Um dos temas abordados foi justamente o apagamento ou silenciamento dessa comunidade na cidade. Não se fala, não se mostra, não se dá espaço para a discussão dessas pautas, mas sabemos que há as mais variadas formas de violências contra essa população.

As histórias vão de agressões, xingamentos e a abandono familiar.  Marina Ganzarolli, presidenta da Comissão Estadual da Diversidade Sexual, com brilhantismo, expôs dados e fontes de pesquisa que mostram o quanto somos um dos países que mais mata pessoas LGBT+ no MUNDO e também um dos países em que há mais violência contra mulheres.
Suzy Santos, presidenta da Casa sem Preconceito de Campinas, contribuiu compartilhando a sua história de vida e de luta contra as desigualdades contra uma população ainda mais alijada de direitos: pessoas trans.

O respeito a essas pessoas e o cumprimento à legislação do nome social ainda encontram enorme resistência nas mais variadas instituições públicas e privadas.

Marcelo Yoshida, professor de história e coordenador do Cursinho Popular Contexto, apontou como os professores têm sido alvo de ataques nesse contexto de grandes retrocessos sob a justificativa de que há suposta doutrinação nas escolas.  Apontou como o surgimento de projetos como Escola sem Partido, termos errôneos como “Ideologia de Gênero” e práticas de assédio moral (às vezes físico) contra professores têm prejudicado a construção de uma sociedade mais justa.

Os três palestrantes, cada um à sua maneira, expuseram formas de luta e destacaram a iniciativa da OAB Valinhos em propor a fazer a Roda de Conversa para dar início ao levantamento de demandas da cidade e para a união de pessoas que gostaríamos de levantar essas bandeiras na cidade.

Parabéns à OAB Valinhos, aos palestrantes e ao público presente, que fizeram desse dia um momento histórico na cidade! Para mais informações, curtam a página da comissão no facebook: Diversidade de Valinhos

Marcelo Yoshida é professor, formado em Direito pela PUC Campinas, Licenciatura em História pela Unesp de Franca e Mestrado em História pelo ProfHistória Núcleo da Unicamp.

 

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome