-publicidade-

Dívida consolidada é de R$ 459.772.407,17 em 31/12/2017

O Relatório de Responsabilidade Fiscal, publicado na Imprensa Oficial da Prefeitura de Valinhos, nesta terça-feira (30), aponta que a Dívida Nominal Consolidada atingiu o seu maior nível histórico batendo na casa dos R$ 460 milhões.

O demonstrativo aponta um montante de R$ 459.772.407,17 em 31/12/2017, contra uma dívida total de R$ 438.414.527,45 no final do exercício de 2016, último ano do governo Clayton Machado (PSDB).

-publicidade-

A dívida nominal consolidada é composta em grande parte pela dívida previdenciária e os valores em aberto referentes às desapropriações efetuadas em administrações passadas.

Num jornal informativo do Partido Democratas (DEM), distribuído nas residências dos valinhenses no sábado (27), o prefeito Orestes Previtale (MDB) comemora que conseguiu reduzir as contas a pagar herdadas do governo anterior. “Ao assumir a Prefeitura, em janeiro deste ano, o atual governo encontrou dívidas que ultrapassavam R$ 170 milhões, além de caixa zerado. A expectativa é fechar 2017 com uma dívida de cerca de R$ 90 milhões, depois de meses de negociações e cortes de despesas.” conclui.

Estes R$ 170 milhões referem-se a despesas assumidas e não pagas com fornecedores e prestadores de serviços enquanto a dívida nominal consolidada, que agora soma R$ 460 milhões, diz respeito a todo o montante devedor, incluindo a dívida previdenciária.

A dívida vem de longe e só aumenta

Um dos mais sérios problemas financeiros da Prefeitura de Valinhos é esta questão da dívida consolidada que tem consequências graves já que impede o Município de realizar convênios nas esferas dos governos estadual e federal.

O ex-prefeito Marcos José da Silva (MDB) deixou para o seu sucessor, Clayton Machado (PSDB) a dívida no patamar de R$ 286 milhões, enquanto Clayton transferiu para Orestes Previtale (MDB) o total devedor de R$ 438 milhões, e, agora, ao completar o primeiro ano do seu governo o valor chega a R$ 460 milhões.

“Eu não tenho medo de dívidas”

Igualmente ao que afirma agora o Prefeito Orestes, Clayton Machado também alegava dificuldades financeiras em razão das dívidas deixadas por Marcos, que por sua vez chegou a dizer numa entrevista: “Eu não tenho medo de dívidas. Quando assumi, o Dr. Vitório também havia deixado um pouquinho, fui lá, paguei, fiz outras dívidas. Uma cidade rica como Valinhos ter medo de dívidas? Eu não tenho medo de dívida”.

No governo Marcos, tanto Clayton Machado, quanto Orestes Previtale, fizeram parte da base de apoio no legislativo e também na formação do quadro de comissionados indicados por eles ou pelos seus partidos.

O Pé de Figo publica, a cada bimestre, o relatório da Dívida Consolidada com base nos demonstrativos da lei de responsabilidade fiscal.

Confira na íntegra o relatório aqui: Atos Oficiais de 30 de janeiro de 2018

Fonte: PMV

Leia também:

Jornal de 32 páginas exalta o primeiro ano do governo Orestes

 




Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome