O Boletim dos Atos Oficias publicado na sexta-feira, 29 de março, traz o Relatório da Lei de Responsabilidade Fiscal em que apresenta a Dívida Consolidada da Prefeitura de Valinhos, apurada no primeiro bimestre de 2019, com um valor de R$ 512.937.039,19.

A dívida consolidada é aquela que a Prefeitura já reconheceu que deve, parcelou esta dívida e ela tem que pagar rigorosamente, sob pena de responsabilização do Prefeito.

De acordo com os esclarecimentos prestados pela Secretária da Fazenda, Maria Luisa Denadai, através de entrevista exclusiva para a TV Pé de Figo (veja abaixo), na verdade, se for somada a dívida com o Valiprev, que é o instituto de previdência dos servidores municipais, o montante da dívida já ultrapassa a casa dos R$ 600 milhões, o correspondente a um orçamento anual da municipalidade.

Na mesma entrevista, a Secretária disse que a dívida é impagável e somente uma alternativa política, através de uma lei do governo federal quase que exclusiva para o caso do Valinhos, pode significar a possibilidade de alguma solução.

Embora a tendência é responsabilizar totalmente as administrações anteriores pela dívida, no quadro abaixo pode se verificar que os parcelamentos da dívida com o Valiprev, referentes aos períodos de abril a outubro de 2017 e um aporte para o déficit de 2018 com o instituto de previdência dos funcionários públicos, o que significa que também o governo de Orestes Previtale (PSB) está jogando para a frente compromissos que não foram pagos.

Veja o esclarecimento sobre a dívida da Prefeitura nesta entrevista com a Secretária da Fazenda, Maria Luisa Denadai:

Fonte: PMV

 

Deixe um comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome