Os tempos atuais nos levam a acreditar que tudo está perdido, porém, os alunos do Alves Aranha são uma prova de que não, não está.

Por si só, o prédio da E.E. Antonio Alves Aranha exerce sobre minhas lembranças uma certa magia. Primeiro, pela localização: vivi minha infância e adolescência na Rua Itália, aos pés do colégio. Ali também iniciei o ginasial, quando nele estava instalado o Cyro de Barros. Sem falar nos momentos de tensão e disputa política nas eleições em que a escola serve de sessão eleitoral.

No entanto, vivenciei na tarde do último dia 10 de outubro, um momento de rara emoção, ao visitar a Feira Científica e Cultural da E.E. Antonio Alves Aranha.

Ao som do clássico Cálice, de autoria de Chico Buarque e Gilberto Gil, com a participação da singular voz de Milton Nascimento, me arrepiei com a apresentação da peça teatral em que aqueles moços e moças resgataram a história do período da ditadura militar no Brasil, sem deixar de perceber que nos dias de hoje “falta pouco, muito pouco, para tudo se repetir”.

Censura, repressão, tortura, assassinatos e manipulação da imprensa foram retratados na sala de aula transformada em palco, num ambiente escuro, com janelas e paredes cobertos por tecidos pretos, para ao final eclodir da luta pelas Diretas Já a consciência de que a reconquista da democracia é algo que precisa ser preservado.

Fora Temer, liberdade e diversidade

Ao percorrer as dependências da escola, curti o privilégio de participar de aulas movimentadas, recheadas da alegria característica da juventude, através de um passeio pela poesia, história do nazismo, ensinamentos do trânsito e um delicioso grito grafado a giz na lousa: Fora Temer!

Para fechar a visita, mais momentos de emoção com o vídeo documentário feito pelos alunos dos terceiros anos da E. E. Antonio Alves Aranha, sob a orientação do professor de Sociologia, Guillermo,  sobre homofobia e diversidade sexual, culminando com a mensagem, quase uma súplica: “Mais Amor, Por Favor”.

Os tempos atuais nos levam a acreditar que tudo está perdido, porém, os alunos da Escola Estadual  Alves Aranha são uma prova de que não, não está.




3 Comentários

  1. Prezado Alessandro

    A “minha senhoria” aqui assistiu emocionado o documentário, na sessão das 17hs, logo depois de, também emocionado, ter visto a peça de teatro da “Ditadura”.
    Se isto faz diferença, confira com o professor Guillermo.
    Em tempo, se você é aluno do Alves Aranha, sinta-se orgulhoso, foi uma grande jornada cultural e de consciência social e política.
    Abraços
    Heriberto Pozzuto

  2. Muito obrigada pela visita e por ter assistido a nossa peça. Todos os anos buscamos realizar as nossas peças teatrais de modo que faça as pessoas refletirem sobre o assunto e como ultimamente tem se falado muito sobre intervenção militar queríamos mostrar o que houve quando se teve está intervenção no Brasil. Na nossa próxima feira cultural esperamos sua visita.

Deixe uma resposta para Alessandro Cancelar comentário

Por favor, digite seu comentário.
Por favor, digite seu nome